NA COLÔMBIA, PRATOS E TALHERES FEITOS COM CASCAS DO MILHO E DO ABACAXI, SÃO RECICLÁVEIS E PLANTÁVEIS


Extinguir ou reduzir a quantidade de plásticos no planeta, ainda é um enorme desafio e um grande enigma, para os especialistas que lutam pela conservação do meio ambiente, porém ideias vêm surgindo em todo o mundo para resolver questões como essa, relacionadas aos resíduos sólidos.



E uma delas foi criada pelo casal colombiano Claudia Isabel Barona e Andres Benavides que desenvolveram a marca Lifepack, tendo como princípio “vender embalagens que geram vida”, utilizando como matéria-prima o milho e o abacaxi, produtos esses abundantes no país e assim desenvolveram um material substituto de utensílios plásticos feitos a partir dos restos, ou melhor, das cascas de milho e de coroas do abacaxi e que após o uso deles poderá ser plantado.


“A linha de produtos, chamada Papelyco, vem com sementes, cujas embalagens podem ser plantadas, posteriormente, pelos consumidores. Como nada se desperdiça, após alimentar-se, você pode fazer surgir do seu prato uma flor”, ou seja, a cadeia de produção é reaproveitável, pois esse utensílio ao ser jogado se decompõe na terra.



“Os produtos da Lifepack, são plantáveis, compostáveis e biodegradáveis”, além de lançarem um produto ecologicamente sustentável, também gerou fontes de renda para cerca de 190 mulheres, criando 20 empregos diretos, receitas para os produtores de abacaxi.



“Em 2010, a Colômbia gerou mais de 27 mil toneladas de lixo por dia; os EUA registraram 600 mil toneladas – sendo que apenas 35% dos resíduos foram reciclados. Especificamente na Colômbia, 4% vieram de pratos descartáveis e copos, além de embalagens plásticas e de isopor. Enquanto isso, as embalagens dos EUA representam 30% dos resíduos sólidos e demoram entre 500 e mil anos para a decomposição. Os efeitos de todo esse desperdício no meio ambiente, desnecessário dizer, são enormes”. Pesquisas apontam que os Estados Unidos é o país que mais usam descartáveis no mundo.


Segundo dados estatísticos apresentados pelo Grupo Iner, o Brasil enterra em torno de 120 milhões de reais por ano e sendo o quarto maior produtor de lixo no planeta”. Dos 5.570 municípios brasileiros, cerca de 60% ou seja: 3.334 ainda mantêm os lixões e fora os clandestinos que não foram computados, poluindo o ar, a terra e a água trazendo diversas doenças além de afetar o meio ambiente.


Diante desse contexto o Grupo Iner e a Cooperiner, se uniram e com o apoio da Confederação Elo Social do Brasil, desenvolveram o SISTEMA INER “LIXO ZERO SOCIAL 10”, com o objetivo de contribuir para a implementação da Lei 12.305/10, que trata da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS).


De acordo com pesquisadores e envolvidos no projeto, esclareceram que já têm a solução definitiva para acabar 100% com esses resíduos, a destinação correta e logística reversa do lixo, dando a devida importância ao saneamento ambiental e a transformar o “Lixo em Luxo”.



O Programa Iner Lixo Zero Social 10, está em fase de implantação e abrangerá os 26 estados e o Distrito Federal, “com uma logística para atender todo o Brasil de forma inteligente e eficaz”, além de solucionar ecologicamente e sustentável, acabará de vez com o lixo, trazendo também benefícios para o desenvolvimento dessas regiões, gerando renda e novos postos de trabalho.


E a cada Centro de Triagem e Transbordo construído, haverá um Prédio Social - denominado “Social do Cidadão”, para atendimento às famílias, com capacidade de atender socialmente 200 famílias/dia, com orientações na área jurídica, psicológica e social.


Os prédios seguem critérios para serem construídos e de acordo com algumas regras especificadas:


A cada 100 mil habitantes será construído um Centro de Triagem e Transbordo, ou seja, um CTT; uma usina a cada 1.500.000 / 2.000.000 habitantes;


Usina de Cremação de pequenos animais; Uma a cada 1.500.000 / 2.000.000 habitantes;


Usina de Compostagem/Fabricação de Briquetes/Incineração de Produtos Químicos/Incineração de animais de grande porte; Uma a cada 1.300.000/2.000.000 habitantes (dependendo da logística e população;


Prédio Social - Para atendimento às famílias Um prédio social para cada CTT – Centro de Triagem e Transbordo instalada;


Prédio Seccional administrativo / gerência dos prédios sociais para atender entre 10 a 19 prédios regionais


Diretoria Estadual - Fiscalizadora e intermediadora entre as diretorias da Confederação do Elo Social Brasil com as diretorias seccional e regional. Cooperativa Cooperiner – Para atender a Logística Reversa de Resíduos Volumosos (Sofás, Poltronas, Móveis, etc., a ser instalada estrategicamente em cidade onde tiver um CTT.


E por fim uma das premissas do programa que chama atenção é a valorização da família, pois segundo o Dr. Jomateleno Teixeira - diretor presidente e a Diretora Nacional Cida Gracietti, é o de conscientizar as famílias do seu valor, sendo o elo principal para o despertar de um mundo melhor e para o desenvolvimento de uma sociedade mais justa e a cidadania sendo exercida em toda a sua essência”. ”ADIANTE E AVANTE.


Fonte: https://www.greenme.com.br/informar-se/green-economy/7630-milho-abacaxi-pratos-plantaveis


file:///C:/Users/nlv20/Desktop/Apresentacao-grupo-iner-projeto-lixo-zero-social-10-v21.pdf



Texto elaborado por Nagma Lira - Diretora Regional ABC- São Paulo

Revisão Equipe Elo Social - SP

406 visualizações12 comentários

Diretoria de Implantação de Projeto:

Rua Cecília Bonilha nº 145, São Paulo - Capital - (Sede Própria) Telefone: +55 (11) 3991-9919 Todos os Direitos Reservados​ © 2018

"Movimento Passando o Brasil a Limpo"